O farol de Edward Hopper


AVE, ÁGUA

RECORDAR O NASCIMENTO DO MUNDO

- por Mariana Ianelli

No poema do primeiro dia do mundo, as águas foram separadas das águas.

Criaram-se os céus. Criaram-se os mares. Criou-se o tempo e, para regalo dos olhos, o espaço. Na gênese da imaginação de tudo, principiava a memória.

Vieram as flores, vieram as estrelas e então as aves para povoar o azul entre as águas. Na página sagrada de criação da vida, palavras ao vento são o primevo milagre. AVE, ÁGUA toca esse milagre.

Com duplo olhar, é um livro que faz coincidir mundo e linguagem: o olhar de Cleonice Bourscheid, que restitui à palavra o silêncio denso da natureza existindo satisfeita em si; e o olhar de Aristóteles Bourscheid, que flagra os múltiplos estados poéticos da água: água em pele de esmeralda, água quebrada em mil estrelas, água em espelho impressionista das horas, água abaixo em estado de vertigem, água acima em estado de mistério.

Cleonice saúda o elementar da vida no corpo do homem, no corpo do pássaro, no corpo da terra: ave, água! A espera num porto é pasto dos sonhos. Deliquescente é o desejo. Marítima, a saudade. A poeta navega o rio da memória, de volta à infância, e a infância é uma lagoa. Ouve o canto do rio e chora se esse rio é lama, como sói acontecer quando nele despejam o lixo tóxico produzido pela defloração (dessacralização) da natureza. Há uma delicadíssima ambiguidade nos poemas de Cleonice paralela à da cruz nascida do encontro entre a vela recolhida e o mastro de um barco numa foto de Aristóteles.

A quebra de versos duplica o sentido da leitura:

ajeito o verso sobre a mesa: buquê de vagas lembranças memória de coisas partidas.

Este é um dos sentidos do poema: o de versos substantivos, ou seja, o da transmutação de versos em ondas que afloram (“buquê de vagas”), e essas ondas, lembranças que vêm e vão, memória de coisas que se deixam recordar quando já se perderam em viagens no tempo, travessias, partidas. Um olhar, sonhando o que vê, transmuda um flamingo em flor alada. Transmuda peixes juntos em rebanho. Aves juntas em enxame. Sangue em água, como em Cristo transpassado. Tudo passa, tudo se consome, mas, para uma alma que decola em estado de pássaro, infinita é sua travessia.

Dura o instante de um olhar, essa travessia, e é infinita, como o são os instantes de pássaro nas fotos de Aristóteles, que parecem favores da natureza ao amor de quem viajou longe pelo flagrante de um leque aberto de asas, de um rasto debruado na superfície das águas, flagrantes de momentos.

Uma das imagens de AVE, ÁGUA mostra um momento na vida dos animais da água de Valparaíso, terra de passado indígena, há séculos fundada em sua intimidade com o mar. Como uma vez lembrou o chileno Patrício Guzmán, toda água carrega em si a memória daqueles que por ela já navegaram, dela se alimentaram ou nela tiveram fim. Mais: antes de todas as terras por onde já fluíram, as águas guardam em si a memória das estrelas, carregam consigo os céus, peregrinas que são, como as aves.

Trazer à tona essa ancestralidade mágica é cantar a pré-história do tempo. Recordar o nascimento do mundo. Redescobrir, pelas palavras de Cleonice, que

entre a solidão da noite e a margem do dia nasce um pássaro.

© Mariana Ianelli - Escritora, poeta e cronista.

Fotografia de © Aristóteles Bourscheid (Pigeon Point Lighthouse - Costa Oeste USA - O farol de Edward Hopper)

AVE, ÁGUA

"Mergulhei nas águas tépidas, deixei que o rio me abraçasse e a corrente me arrastasse. Regressaram-me as palavras de Chikazi Makwakwa, minha falecida mãe: – Dentro de água sou ave." – Mia Couto

LANÇAMENTO - AVE, ÁGUA

AVE, ÁGUA - Novo livro de poesia de CLEONICE BOURSCHEID - Fotografias de Aristóteles Bourscheid Livro de Arte

Lançamento em 26 de outubro QUINTA-FEIRA - 18 h (Clube Jangadeiros - Porto Alegre RS) - Com Recital de Música AVE,ÁGUA / Coquetel e Autógrafos - Fotografias de Aristóteles Bourscheid - Apresentação de Mariana Ianelli - Edição de luxo - Encadernação em Capa Dura - Totalmente impresso em cores, com magníficas imagens fotográficas - Reserve já o seu exemplar - R$ 50,00 + Remessa postal gratuita

Envie o seu pedido pelo e-mail e retornaremos com a confirmação e os procedimentos de pagamento - por favor informe seu endereço (com o CEP) para a remessa postal registrada e informe o seu CPF para emissão da Nota Fiscal correspondente ao seu pedido.

ardotempo@gmail.com

https://www.pag.ae/bcnjnj8

https://www.ardotempoblog.com

https://www.ardotempo.com

#fotografia #arte #livro #poesia

Destaque
Tags
Nenhum tag.

© 2017 - Edições Ardotempo - São Paulo SP Brasil

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Google+ B&W
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now